Carga mental

Carga mental

Cabeça de mãe não para.

Por que será?

A vitamina na hora do almoço

Ler um pouco para eles antes de dormir.

O que eu tenho feito por mim?

Colocar a blusa preferida do filho na máquina para dar tempo de secar e ele usar amanhã.

Comprar calças novas para eles porque o inverno está chegando.

Por que eles brigam tanto?

Passar hidratante no corpo deles depois do banho.

Comprar o presente do aniversário do fim de semana.

Saudade das minhas amigas de adolescência.

As frutas para o suco.

Comprar massinha para deixar no consultório.

Sinto minha mente em total atividade.

Sensação de neurônios queimando, cansaço.

Preciso arrumar alguém para consertar a descarga.

Adicionar sabonete e pasta de dente na lista do mercado.

Pensar no que fazer para o jantar.

Não posso esquecer de alimentar a cachorra.

O maior desafio não é a lista do que deve ser feito, isso é moleza.

Somente executar é fácil, camarada.

Agora vai planejar, organizar, gerenciar e executar… aí é que são elas.

Ninguém tem todos esses papéis dentro de uma empresa, por exemplo.

E sabe porque?

É humanamente impossível e daria prejuízo.

Pessoas ficam doentes em função do excesso de responsabilidade.

Da curto circuito, a cabeça pifa.

Mas e as mulheres?

Não fazem isso o tempo todo em casa?

E as mulheres que são mães então?

Somos vistas como sobre-humanas.

Mas claro que NÃO somos.

Fazem isso com a gente porque é mais fácil dizer que somos extraordinárias e nos colocarem como RESPONSAVEIS pela casa e pelos filhos.

Não podemos cair nessa armadilha cultural engessada e patriarcal.

A carga mental é descomunal.

Pedir para alguém fazer algo no meio de tudo o que já fazemos é dar mais uma função para a nosso cérebro. Por isso além da execução, o planejamento, a organização e o gerenciamento também precisam ser divididos. Precisamos dividir TODA a responsabilidade e não ter que pedir para o nosso parceiro  fazer o que está ali diante dos olhos de quem pode enxergar. Só assim vão perceber o que existe por trás do nosso cansaço, tão invisível aos olhos alheios.

Só assim poderemos ter uma vida mais equilibrada.

Texto: @maeforadacaixa

 

(Visited 158 times, 1 visits today)
Thaís Vilarinho

Mãe de dois meninos lindos Matheus e Thomás, Fonoaudióloga Clínica. Pratico corrida e Muay Thai. Adoro escrever, viajar, escutar música, ver um bom filme, sair e estar com a família e os amigos. Sou curiosa, adoro conhecer e aprender coisas novas.

Share This Post

Escreva um comentário