Duas cartas lindas que vão te emocionar!

Duas cartas lindas que vão te emocionar!

Amo essas duas cartas retiradas desse Blog, e traduzidas pela Stephanie Andrade do blog Gravidicas. A primeira carta é de uma mãe que trabalha para uma mãe que fica em casa, e a segunda carta é de uma mãe que fica em casa para uma mãe que trabalha. Super interessante ver as duas visões! Acho muito importante vivermos sem preconceito sobre mães que trabalham ou que não trabalham, cada mãe/mulher sabe da sua vida. Devemos respeitar como cada mãe encara e vive a maternidade!

1 Carta:

“Querida mãe-dona-de-casa,

Algumas pessoas têm questionado o que você faz em casa o dia todo. Eu sei o que você faz. Eu sei, porque também sou mãe e por um tempo fiz isso também.

Eu sei que o seu trabalho não é remunerado, muitas vezes chega a ser um trabalho ingrato, que começa no momento em que você acorda, e às vezes, nem sequer termina quando você vai dormir. Eu sei que você trabalha nos fins de semana e a noite, sem saber se vai conseguir encerrar o seu dia ou a semana. Eu sei que as recompensas são boas, mas poucas.

Eu sei que você raramente consegue tomar uma xícara de café ou chá quentinho. Sei que sua atenção está sempre dividida, muitas vezes, desvia de um momento para o outro, e assim, você não pode contar com a conclusão de uma tarefa quando a está fazendo. Eu sei que você provavelmente não tem nenhum momento de descanso quando está por conta própria em casa, a menos que você tenha apenas um filho, e que por sorte, ainda tire uns cochilos durante o dia.

Eu sei dos desafios que você tem que lidar diariamente, geralmente sem apoio algum ou ajuda. As birras que as crianças fazem, os acidentes no banheiro, as guerras de comida, a comida no chão, os desenhos com lápis de cor na parede, a rivalidade entre irmãos, o bebê que parece nunca parar de chorar. Eu sei como o trabalho parece incessante, como um ciclo sem fim – você faz compras no mercado, prepara os alimentos, cozinha, tenta dar para os filhos, limpa o chão, lava os pratos, e tudo se repete de três em três horas. (ou menos)

Eu sei que você sonha em ter uma hora pra si mesma, para poder comer o seu almoço em paz, ou tirar um cochilo à tarde. Eu sei que às vezes você se pergunta se tudo isso vale a pena, e sente inveja dos seus amigos que estão curtindo um coffee break no trabalho. Eu sei que às vezes, quando seu parceiro chega em casa à noite, após um dia inteiro de trabalho, ele coloca os pés para cima do sofá, exatamente quando você achou que teria um descanso, e isso a faz cair em lágrimas.

Eu sei que você é mal interpretada por muitas pessoas que não entendem as dificuldades de cuidar sozinha de crianças pequenas, o dia todo. E referem-se a você como se estivesse “curtindo a vida boa”. Eles acham que você gasta o seu dia inteiro tomando café enquanto seus filhos brincam em silêncio.

Sei que você perdeu sua independência financeira. Sei que às vezes você se irrita quando outros comemoram “TGIF! (Thanks God it’s Friday – Graças a Deus é sexta-feira)”. Porque para você, todos os dias são iguais- não há sexta-feira, para que você tenha uma pausa do trabalho. Eu sei que muitas pessoas não entendem que você trabalha (você simplesmente trabalha em casa, sem remuneração alguma).

Mãe-dona-de-casa, eu não sei como você consegue. Admiro sua paciência infinita, a sua capacidade para enfrentar cada dia alegremente, e trazer alegria para a vida de seus filhos, mesmo quando eles te deixam pra baixo. Admiro a sua dedicação em ser uma presença constante na vida dos seus filhos, mesmo que nem sempre seja fácil. Admiro sua maneira de trabalhar sem esperar qualquer recompensa – sem promoções, sem fama, sem salário. Eu sei que você quer que seus filhos sintam-se importantes e amados… Querida mãe-dona-de-casa, você faz isso perfeitamente.

Eu só queria que você soubesse que eu te entendo. Nós duas somos mães. E sim, eu entendo.

Com amor,

Mãe que trabalha”

2 Carta:

“Querida mamãe que trabalha,

Eu sei que às vezes te julgam por deixar seus filhos aos cuidados de outras pessoas para que você possa ir trabalhar. Alguns (infelizes) até insinuam que você não ama os seus filhos tanto quanto nós, mães-donas-de-casa amamos, e dizem que o melhor para as crianças é ficar em casa com suas mães.

Como eles podem dizer isso a você? Eu sei o quanto você ama seus filhos… Tanto quanto qualquer outra mãe! Eu sei que voltar ao trabalho não foi uma decisão fácil. Sei que você pesou os prós e os contras, muito antes do bebê nascer. Sei que essa foi uma das decisões mais importantes da sua vida. Você já pensava sobre isso mesmo enquanto estava no colégio escolhendo as matérias que faria no segundo grau.

Eu te vejo em todos os lugares. Você é a médica que eu levo meus filhos quando estão doentes. Você é alergista do meu filho, aquela que diagnosticou a alergia a amendoim. Você é a fisioterapeuta que tratou a coluna do meu marido. Você é a contadora que faz nossas declarações fiscais. A professora da escolinha do meu filho. A diretora do nosso centro de acolhimento infantil. A professora de ginástica da minha filha. A corretora de imóveis que nos vendeu a casa.

Que tipo de mundo viveríamos se você não estivesse lá para nós? Se você tivesse sucumbido às pressões daqueles que insistem em dizer que lugar de uma mãe é em casa?

Eu sei que você tenta conciliar o trabalho para atender a sua família. Eu sei que você acorda uma hora antes que todo mundo, para deixar alguma tarefa pronta, ou para ter um tempo em silêncio. Sei que você já participou de reuniões no trabalho, mesmo não tendo dormido nada a noite porque teve que ficar acordada com seu bebê. Eu sei que quando você chega em casa à noite o “segundo turno” começa . Os pessimistas não entendem que você executa o trabalho de uma dona de casa, e ainda trabalha fora! Você chega em casa, faz o jantar, dá banho nos filhos, e lhes conta histórias. Você os acolhe e lhes dá beijos de boa noite. Você paga as contas, faz as compras do supermercado, faz o serviço de lavanderia, lava a louça, assim como qualquer outra mãe faz.

Eu sei que muitas vezes você se sente culpada por passar tanto tempo longe dos seus filhos, e assim, sacrifica seu tempo de lazer. Eu sei que você não consegue curtir um tempo livre para si, nem quando seus filhos estão na creche. Eu sei que você teve que aceitar que o trabalho é o seu “tempo livre” agora. Eu sei que quando você está no trabalho você não desperdiça um minuto sequer. Eu sei que você almoça em sua mesa, não sai para tomar um café, e mostra total dedicação e concentração com seu trabalho. Afinal, você escolheu estar lá. Você quer estar lá.

Eu sei o quanto você é exigente com quem está cuidando dos seus filhos, e que muitas creches oferecem um excelente atendimento. Eu sei que você só deixa seus filhos em um lugar onde você confie que eles são amados e bem cuidados. Sei que quando seus filhos ficam doentes, você passa os dias que forem necessários cuidando deles em casa, mesmo que tenha que sacrificar seu salário por isso. E eu sei que secretamente, você gosta desses dias, pois se lembra o quão capaz você é de tomar conta dos seus filhos.

Eu sei que às vezes você se sente culpada por não estar lá o tempo todo. Mas querida mamãe-que-trabalha, eu sei que não é fácil. Você está dando um exemplo maravilhoso para os seus filhos. Você está mostrando a eles que uma mulher pode ter uma carreira, contribuir de alguma forma fora de casa, e ainda assim, ser uma mãe maravilhosa. Você está mostrando aos seus filhos que eles podem fazer o que quiserem na vida. Você está exibindo a força, a resistência, dedicação, persistência, e você faz isso com muita alegria e amor.

Eu apenas queria que você soubesse que eu entendo. Porque nós duas somos mães.

Com amor,

Mãe-dona-de-casa”

(Visited 7.090 times, 1 visits today)
Thaís Vilarinho

Mãe de dois meninos lindos Matheus e Thomás, Fonoaudióloga Clínica. Pratico corrida e Muay Thai. Adoro escrever, viajar, escutar música, ver um bom filme, sair e estar com a família e os amigos. Sou curiosa, adoro conhecer e aprender coisas novas.

Share This Post

2 Comentários

  1. Mila - 12 de novembro de 2014

    Distribui as carta para as mães na empresa onde trabalho e todas se emocionaram e se identificaram. Foi muito legal!

Escreva um comentário