O tempo antes e depois da maternidade

O tempo antes e depois da maternidade

Quando o meu tempo era só meu, eu passava horas em frente ao espelho me arrumando para sair. Tomava banho tranquilamente, almoçava calmamente, e gastava o tempo que achava necessário para comer e conversar com quem fazia as refeições comigo. Varava a noite assistindo 3 filmes seguidos se tivesse vontade.

Quando saia no sábado a noite e chegava em casa, tirava a roupa tranquilamente sem me preocupar se ia fazer barulho. Deitava sem pensar na hora que eu teria que acordar, e dormia igual a uma pedra pois não tinha preocupação com nada. No dia seguinte, passava o dia todo jogada no sofá vendo o domingo passar diante dos meus olhos, só ali deitada e descansando. Alternava, do sofá para a cama, da cama para o sofá. Até que logo a minha mãe falava: Thaís venha almoçar!

Quando o meu tempo era só meu, eu tinha muito tempo para fazer o que eu quisesse ou para não fazer nada.

Ligava para as minhas amigas e passava horas ao telefone, com o namorado mais horas e horas conversando, a orelha até doía. Meu pai entrava na linha e falava: Thaís está na hora de desligar!!! Quase morria de vergonha!

Era um tempo em que minha avó vinha em casa e falávamos de tudo, passávamos horas tricotando como ela diz.

Agora que o meu tempo não é todo meu, aliás, agora que o meu tempo quase não é meu, eu me olho pouquíssimo no espelho. Tomo banho de 5 minutos se for necessário. Nas refeições, como diz uma grande amiga minha, praticamente nem mastigo a comida, engulo direto os alimentos pois sempre tem alguém me chamando de dois em dois minutos.

Em casa quase não assisto filmes, pois quando os meninos dormem e eu penso em assistir algo, o sono é tanto que eu acabo dormindo. Só assisto se for no cinema e, mesmo assim, se o filme não for muito bom, acabo dormindo de tão cansada.

Meu tempo hoje em dia é cronometrado: fazer NADA já não faz mais parte da minha vida.

Agora que o meu tempo não é todo meu, eu chego em casa de um jantar na ponta dos pés, não deixo o meu marido puxar a descarga em hipótese alguma para não acordar os meninos. Tiro a maquiagem em dois segundos, escovo os dentes rapidinho, enfio o pijama e corro para a cama.

Entretanto, no dia seguinte, tenho dois meninos lindos pulando na minha cama e dizendo “vamos acordar mamãe já está de dia”! Por mais que seja difícil acordar, acordo feliz pois tem alguém que me espera e depende de mim.

Agora que o meu tempo não é nem de longe só meu, tenho os sorrisos e as gargalhadas. Tenho alegria pela casa, beijo a toda hora e abraços apertados. Tenho criança para cobrir, contar histórias e dar beijo na hora de dormir. Tenho bochechas para beijar a hora que eu quiser. Pescoçinhos deliciosos para fazer cosquinha. E  o mais importante, sou o melhor colo para consolar.

Sempre que volto do trabalho ou de algo que estava fazendo na rua, tenho eles ansiosos esperando por mim e me contando o que fizeram enquanto eu não estava.

Com tudo isso penso que a verdade é uma só: o que eu perdi em tempo para mim, eu ganhei em tantas outras coisas que é impossível mensurar. Mas o que eu realmente sei é que ganhei uma árdua e deliciosa responsabilidade de ser mãe com tudo o que dói e tudo o que é delicioso. Amo os meus filhos! Amo ser mãe!

(Visited 566 times, 1 visits today)
Thaís Vilarinho

Mãe de dois meninos lindos Matheus e Thomás, Fonoaudióloga Clínica. Pratico corrida e Muay Thai. Adoro escrever, viajar, escutar música, ver um bom filme, sair e estar com a família e os amigos. Sou curiosa, adoro conhecer e aprender coisas novas.

Share This Post

14 Comentários

  1. roseli - 25 de abril de 2014

    Thais, gostei muito do seu texto. É verdade que os filhos trazem ônus e bônus, sendo a parte do bônus infinitamente maior. Parabéns pela sensibilidade!

  2. Daniela Camano Estephano - 26 de abril de 2014

    Muito lindo Thaís!!! Me vi em boa parte da sua verdadeira história! Gosto muito de você!!! Bjs

  3. Carol - 26 de abril de 2014

    Tha, você realmente tem o dom da escrita!
    Lindo texto que retrata exatamente a magia de ser mãe.
    Parabéns pela iniciativa e obrigada por compartilhar estas experiências conosco.
    Beijos e aproveitem a trip!

  4. Gabriela - 28 de abril de 2014

    Ah Tha, que lindo esse texto! Me emocionei de verdade! Bjs

  5. Patricia - 3 de maio de 2014

    Oi Thaís!
    Delicia ler isso e comungar das mesmas sensações:)
    Primeira vez que vejo o blog de vcs a convite da minha amiga, Pri! (A gente se conheceu no niver dela rs…)
    Muito bacana!
    Um beijo

    • Thaís Vilarinho
      Thaís Vilarinho - 3 de maio de 2014

      Muito boa essa sensação de ver que realmente vc se identificou com as minhas sensações! Fico muito feliz Patricia! Muiot legal que tenha gostado do blog!!! Beijos Thaís

  6. Patricia - 3 de maio de 2014

    PS: Como faz pra colocar nossa foto?!?!

  7. Carolina - 3 de outubro de 2015

    Oi Thaís,
    Me indentifiquei muito! Principalmente com os nomes dos pequenos: por aqui também tenho um Mateus de 2a6m é um Tomás de 1 aninho!

Escreva um comentário