É possível viajar sem os filhos?

É possível viajar sem os filhos?

Ir ou não ir? Vou ou fico? Ficar e se arrepender, ou ir e se aventurar?

Viajar, deixar os filhos, e tudo o que envolve essa história é um grande dilema (bom pelo menos para mim). Dez milhões de coisas passam pela minha cabeça… A primeira é pensar em alguém para ficar com eles. Deve ser alguém que eles estejam acostumados e que tenham confiança. Após decidir e acertar com quem vão ficar, começam as perguntas:

E se eles ficarem doentes?

E se sentirem as saudades que eu sentia da minha mãe quando era pequena? (Eu tinha muita saudade da minha mãe quando ficava com a minha avó)

E se o avião cair? (Sei que é um horror pensar isso, mas eu penso…)

E se meus pais cansarem muito? (Sou tão preocupada com isso pois sei que meus filhos são minha responsabilidade e não deles.)

Bom, são tantos “e se…”  que acho melhor parar por aqui senão enlouqueço!

Enfim, cá estou eu de malas prontas para partir amanhã! Meu coração fica apertado dentro do peito, dá um nó na garganta, tenho insônia e, só de pensar nos meu filhos, fico com vontade de chorar.

Mesmo assim, com tudo isso, penso como é importante para mim e para o meu marido esse momento em que voltamos a ser só nós dois! Namorar, passear, reconectar-se ao outro é algo fundamental para o casamento. E com um casamento feliz somos mais felizes e criamos crianças mais felizes. Além disso, merecemos descansar e renovar as energias. Para as crianças, acaba sendo um grande aprendizado perceberem que também podem ser cuidadas pelos avós que são pessoas completamente diferentes dos pais. Na minha opinião, com essa experiência tornam-se mais seguros e independentes.

É bem difícil essa decisão de ir ou não ir,  mas realmente escolho me aventurar, sair dessa caixa confortável e segura que é o meu lar onde estou com os meus pequenos. Sei que se eu não for, certamente me arrependerei dos lugares que eu poderia ter conhecido, dos beijos que eu poderia ter dado, das histórias que poderia ter vivido e, principalmente, da experiência nova que os meus filhos poderiam ter vivenciado .

Afinal ser uma mãe fora da caixa é isso… sair da zona de conforto, e buscar a felicidade por mais complicado que pareça. Porque no fim tudo termina bem: voltamos para casa felizes, com muitas histórias para contar e amor para dar! É isso aí!

Depois de escrever esse post, me senti mais segura. Olhem só as minhas respostas para as minhas perguntas que tem me assombrado nessa véspera da viagem:

Se ficarem doentes? Minha mãe cuida, afinal já cuidou de mim e da minha irmã a vida toda.

E se sentirem saudades? Vão aprender a lidar com esse sentimento que faz parte da vida.

E se o avião cair? Não vai cair! Andar de avião é mais seguro que andar de carro!

E se meus pais cansarem muito? Se eles cansarem, quando voltarmos eles terão muito tempo para descansar. Afinal, só peço ajuda uma única vez por ano. E pode ter certeza que adoram ficar com os netos, e fazem isso com muito amor!

É assim que pensa uma Mãe Fora da Caixa!

Por isso vou em frente, sem medo de ser feliz! Próxima parada? Itália!

 

 

 

 

 

 

 

 

(Visited 562 times, 1 visits today)
Thaís Vilarinho

Mãe de dois meninos lindos Matheus e Thomás, Fonoaudióloga Clínica. Pratico corrida e Muay Thai. Adoro escrever, viajar, escutar música, ver um bom filme, sair e estar com a família e os amigos. Sou curiosa, adoro conhecer e aprender coisas novas.

Share This Post

8 Comentários

  1. Marcinha - 17 de abril de 2014

    Admiro taaaaanto vc! A viagem de vcs será incrível e estou aqui prontinha p trazer o rosquinha p minha casa! Divirtam-se!!!

  2. priscila - 17 de abril de 2014

    Tá certissimaTha …todo ano eu e o Má fazemos a mesma coisa!! Faz bem para todo mundo!! Aproveteim…estivemos na Itália ano passado….lugares lindos!! Bjosss

  3. Karina MIranda - 24 de abril de 2014

    Isso é tudo que ando precisando ler, ou melhor, colocar em prática! Concordo com cada frase, cada vírgula…

  4. Patricia - 3 de maio de 2014

    Thaís…
    Acho q a minha maior preocupação, fora a do avião cair, q tb penso rs, eh a das crianças se acidentarem. Não acho q as pessoas tenham a mesma preocupação q eu – no caso das babás – nem o mesmo reflexo q eu tenho – no caso da minha mãe. Ou talvez isso seja um misto de necessidade de controlar tudo, junto com a dificuldade em delegar funções. Não sei. Mas com certeza a prática em acreditar em Deus e no destino, deva trazer mais leveza a essa situação. Provavelmente seja esse o caminho! rs
    Bjsss

    • Thaís Vilarinho
      Thaís Vilarinho - 3 de maio de 2014

      Oi Patricia,
      Entendo plenamente sua preocupação mas acho que nos preocupamos demais! O mais importante mesmo é deixar com quem confiamos sabendo que não são como nós pois cada um age de maneira diferente mas que com certeza em qualquer circunstância farão o melhor para os nossos filhos. E fé em Deus acima de tudo! Bjos e obrigada pelo carinho!!! Thaís

Escreva um comentário