Sobre ser mãe, ótima no trabalho, ótima amante, magra e bela

Sobre ser mãe, ótima no trabalho, ótima amante, magra e bela

Esses dias, postei no instagram do blog a seguinte frase da antropóloga Mirian Goldenberg:

“A brasileira quer ser mãe, ótima no trabalho, ótima amante e, ainda, ser magra e bela. É uma soma pesada.”

Várias leitoras comentaram, eu fiquei muito feliz com a interatividade que a frase causou, e muito animada para escrever sobre esse assunto. Aqui estão alguns desses comentários que me fizeram pensar.

O mundo cobra, a sociedade cobra, esses tempos cobram da gente! Será?

Será que não é cada um que cobra de si o que quer ou tem vontade de realizar?

Sim, acredito que o meio influencia, mas se lá no fundo você não tem uma mega vontade de ser magra (se isso não é importante para você) penso que, de nenhuma maneira, o padrão de beleza “magra” vai te atingir. Você não vai desejar loucamente ser magra por causa de um padrão pré-estabelecido.

Se você quer parar de trabalhar e estar em casa com os seus filhos acredito que o padrão “ser mãe e ótima profissional” não vai te atingir. Claro, se for uma decisão consciente, madura e decidida em comum acordo com quem vai sustentar financeiramente a casa. Nesse caso, pode vir quem for para te cobrar que você vai estar tranquila e segura para responder. Lembrando também que somos seres humanos (seres pensantes que mudam de opinião) e temos liberdade de, depois de algum tempo, mudarmos nossas escolhas e retomarmos algo: o trabalho, o esporte, a vaidade ou o que for que tenhamos deixado de lado.

Concordo com Mirian em pensar que essa é uma soma pesada, mas você pode comprar o pacote completo ou não. Tem opção de querer todos esses objetivos para a sua vida,  tem opção de querer somente alguns, ou não querer nenhum deles (e querer tantos outros que não estão em questão nessa frase).

Penso que um bom conselho é saber se colocar quando alguém vem te cobrar ou questionar. Sabe a tal resposta na ponta da língua? Então, ela é essencial nesses momentos.  É importante também, uma hora ou outra, saber delegar algumas coisas para não sentir-se tão sobrecarregada e estressada com os objetivos que você escolheu. Todo mundo precisa de uma folga de vez em quando!

Se a cobrança começar a te afetar de alguma maneira acho que está na hora de refletir.

A grande pergunta é:  Você está bem resolvida com as suas escolhas? Faça um análise sobre isso.

Não dá para culpar o mundo. A vida é sua, e as escolhas também.

Porque no fim das contas só nós sabemos o que importa de verdade para a gente, então pense em você e nas suas reais vontades, e não no que a sociedade impõe.

Liberte-se e seja feliz com as suas escolhas!

(Visited 1.491 times, 1 visits today)
Thaís Vilarinho

Mãe de dois meninos lindos Matheus e Thomás, Fonoaudióloga Clínica. Pratico corrida e Muay Thai. Adoro escrever, viajar, escutar música, ver um bom filme, sair e estar com a família e os amigos. Sou curiosa, adoro conhecer e aprender coisas novas.

Share This Post

5 Comentários

  1. Daniele - 9 de setembro de 2015

    Pois é… a cobrança atual no meu caso é a seguinte: ” e o segundo filho?! Quando vem?! Mas vc quer ter outro, né?! Coitadinho do seu filho…Não terá um irmão?! Já está na hora, 5 anos de diferença entre os dois já está bom, depois vai ficar mais difícil…”
    Realmente seria muito bom se eu pudesse dar um irmão ao meu filho, mas hj em dia está tudo tão complicado, as coisas se mostraram tão mais complexas do que eu imaginava antes de engravidar, que, sinceramente, por hora, penso que ter um filho nesse momento não seria uma decisão sensata de minha parte. O problema é que algumas pessoas sucubem a essas pressões alheias seja para engravidar, seja pra ter um segundo filho ou até pra casar…

    • Thaís Vilarinho
      Thaís Vilarinho - 11 de setembro de 2015

      Bem isso Daniele! Mas quando se tem a decisão em pensada, o caminho é ignorar quem da muitos palpites! A vida é sua e as escolhas também! Bjos com carinho! Thaís

  2. Ana Yuan - 9 de setembro de 2015

    Adorei seu texto, realmente temos que arcar com nossas escolhas, se estamos inseguras e não satisfeitas, não podemos culpar os outros e sim ter coragem de mudar e mudar quantas vezes ncessário for. Devemos satisfaçoes somente a nós mesmos, ser livres e felizes com nossos caminhos. bjs
    http://www.antestardedoquenunca1.blogspot.com

Escreva um comentário