Mundo Novo para Alice

Mundo Novo para Alice

Me senti lisonjeada quando a Maria Júlia ofereceu um texto dela para publicararmos aqui no blog. Quando li, fiquei mais feliz ainda percebendo que tudo o que ela diz aqui, tem muita sintonia com o nosso pensar! Eu AMEI o texto, espero que gostem!

 

“Por que temos tanta pressa e não respeitamos o ritmo natural da infância?

 Alice, de Alice no País das Maravilhas, do clássico de Lewis Carroll (2002), é atraída por um coelho que passa correndo e dizendo que está com pressa. O animal entra numa toca e ela o segue. Mas a toca era muito, muito funda como um poço e Alice despenca de repente… lembram-se?

Metaforicamente, a personagem busca seu “eu”, sua paixão pela liberdade, pela vida e quer descobrir qual espaço ocupa no mundo. Quais são as nossas Alices de hoje? O que fazem nossas crianças numa rotina apressada e imposta a elas sem ao menos perguntar do que gostam, do que precisam ou o que querem de verdade?

A sociedade atual nos assegura conforto, acessibilidade às informações, tecnologia e técnica para acelerar qualquer processo de aprendizagem. Mas vale nos questionar se estamos procurando fazer as coisas muito depressa e exigindo das crianças resultados imediatos – mesmo quando podemos esperar. Por que não respeitamos o ritmo natural da infância?

Basicamente, o antídoto para essa ansiedade coletiva está no resgate de velhos hábitos das conversas em família após o jantar, das rodas de histórias e de canções e deixar correr soltas as brincadeiras infantis. Nessas situações, damos às crianças a oportunidade de agir com espontaneidade e exercitar o jogo simbólico, ou seja, a imaginação. E com ela qualquer um pode ir bem longe…

Amor aos livros

Voltemos à Alice do País das Maravilhas. Entediada, ela comenta ao folhear o livro da irmã: “De que serve um livro sem figuras nem diálogos?”. Alice, quero te contar uma coisa: os livros servem para se divertir, para se emocionar, para descobrir e aprender… e muito mais.

Por isso, nós, professores e pais, precisamos encontrar caminhos para aproximar as crianças da leitura por meio de frentes de projetos literários com aproximações de diferentes gêneros textuais: clássicos, modernos, poesias, quadrinhos, etc.

É fundamental incentivar as Alices da nova geração a formar sua biblioteca pessoal em casa. Na escola, a Roda de Histórias deve ser o horário nobre da rotina de aprendizagem. Todos prontos? Era uma vez…

Maria Júlia de Oliveira Dias

Coordenadora Pedagógica do Portinho Panamby

(Visited 144 times, 1 visits today)
Thaís Vilarinho

Mãe de dois meninos lindos Matheus e Thomás, Fonoaudióloga Clínica. Pratico corrida e Muay Thai. Adoro escrever, viajar, escutar música, ver um bom filme, sair e estar com a família e os amigos. Sou curiosa, adoro conhecer e aprender coisas novas.

Share This Post

Escreva um comentário