Mônica Salgado fala sobre maternidade com sinceridade!

Mônica Salgado fala sobre maternidade com sinceridade!

Mônica Salgado é mãe do Bernardo, esposa do Afonso e diretora da revista glamour (que já falamos aqui no blog). Fiquei muito feliz quando ela topou dar uma entrevista. Foi um papo muito bacana. Ela falou da Mônica que é Mãe, Esposa, Filha, Jornalista e Amiga! Uma das minhas entrevistas preferidas!  Papo sincero que vale a pena conferir.

MFC: Antes de ser mãe, como toda a mulher, você devia imaginar a maternidade e a vida de mãe não é? E a realidade? Foi diferente do que imaginava?

MS: Totalmente, como água e vinho. Na verdade eu acho que você crescer, virar uma pessoa madura, uma mulher de verdade, implica muito em se livrar da imagem que você tem de si mesma, só assim, você entende quem você é de verdade. E eu acho que a maternidade é o maior exercício de auto-conhecimento que uma mulher pode ter. Milhares de coisas que não sabemos sobre nós mesmas aparecem nesse momento que somos colocadas a prova, que estamos frágeis, e que a nossa vida muda drasticamente. Eu, por exemplo, achei que tinha nascido para ser mãe e que seria super paciente, quando na verdade eu sou impaciente na vida, e lógico que acabo sendo impaciente com o Bernardo. Então eu percebi que essa minha característica se agravou com a maternidade. Por isso eu tenho sempre que me exercitar, parar, e respirar fundo. O Afonso é muito mais paciente  do que eu, o que acaba sendo muito bom! Outra coisa que acontece também é que minha vontade de acertar aliada a minha ansiedade acaba fazendo com que eu atropele um pouco as coisas. Foi com a maternidade que essas “sombrinhas” em mim acabaram ficando mais evidentes. 

MFC: Como foi sua gravidez? E a emoção de ver o Bernardo pela primeira vez?

MS: Minha gravidez foi ótima! A única coisa que eu senti foi um pouquinho de enjoo no início da gestação. No trabalho foi uma época de muitas mudanças e intensidade profissional. Segui trabalhando bastante até o último momento. Eu até me perguntava se estava curtindo a gravidez, mas a verdade é que não escolhemos o momento profissional da nossa vida quando engravidamos. As coisas vão acontecendo, por isso eu acho que o grande inimigo das mães é a idealização… Idealizamos coisas que não fazem parte do que estamos vivendo! Quer saber uma coisa que me incomoda? Mulheres falando que durante a gravidez se acham no momento mais sexy da vida delas! Gente porque as pessoas fazem isso? Acho sim que existe uma beleza na gravidez, uma magia. Mas me desculpa, falar que se sente no momento mais sexy da vida… a.. isso não é verdade pois é um momento de muitas mudanças no corpo, ficamos inchadas e sensíveis. Acho que essa idealização que se faz hoje em dia é realmente a maior inimiga das mães.

Sobre a emoção de vê-lo pela primeira vez… a isso é maravilhoso, inesquecível. Me arrepio só de lembrar. Na verdade não tive o parto normal, que era o que eu queria. Enfim, acabei sendo convencida da cesárea para não correr riscos por causa do cordão e da falta de dilatação. Mas, mesmo assim, apesar da cesárea ser uma forma tão mecânica, impessoal e fria de ganhar um bebê, quando você vê o seu filho no colo tudo passa. Não importa como ele nasceu, e sim que ele está ali. Isso é lindo! É um privilégio muito grande poder viver esse momento, além de ser um momento maravilhoso de cumplicidade do casal! É naquele hora que você percebe que  formou um vínculo para sempre com o seu parceiro.

MFC: O que de fato mais te surpreendeu na maternidade?

MS: Que pergunta difícil! Bom, eu acho que me fez questionar bastante a noção de família, me fez valorizar os laços, tanto com meu filho e meu marido, quanto com os meus pais. Questionar no sentido de querer os meus pais muito perto do Bernardo, de querer que ele cresça tendo uma relação legal com os avós fazendo parte da vida deles, assim como eu tive uma relação muito forte com os meus avós. Quero proporcionar isso para o meu filho. Acho que essa noção de família e querer estreitar esses laços foi o que de fato mais me surpreendeu!

MFC: Qual foi o impacto da maternidade na sua vida?

MS: Hoje em dia nos tornamos mães mais tarde, em um momento que já temos a vida muito esquematizada, e pouco tempo. E esse tempo que sobra usamos da forma que queremos (antes de sermos mães). Quando eu descobri que já não era mais a senhora do meu tempo, e que tudo o que me sobraria dele seria em função do Bernardo foi um pouco dolorido! Para dar um exemplo: A delícia de momento de poder ler um  livro na praia (que eu amava) nunca mais aconteceu, rsrs. Mesmo sabendo disso optei por não ter babá nos fins de semana exatamente para estar com ele, pois acho extremamente importante nossa convivência. Ganhamos milhões de coisas quando um filho nasce, mas o tempo saudável só seu, do silêncio, de se dedicar a algo que você gosta muito, acaba realmente ficando muito escasso.

MFC: Em que momento retornou ao trabalho? E como ficou o coração?

MS: Retornei bem rápido. Tive 4 meses de licença, mas parei duas semanans antes pois ele já estava para nascer, dessa forma, acabei voltando  3 meses e meio depois que ele nasceu. Eu não posso dizer que eu sofri, sempre tive muito claro para mim o quanto cada coisa na minha vida é importante. Eu sabia que cada coisa tinha o seu momento e sua vez. Sempre gostei muito do meu trabalho, sempre me realizou, por isso, foi muito natural o momento do meu retorno. Acho saudável esses ciclos, teve o tempo de dedicação a ele, depois voltei ao trabalho com duas horas a menos por dia para poder amamentar onde passava as manhãs com ele, (passeava, ia no parquinho, tomava solzinho) durante mais dois meses, e por fim a volta ao trabalho normal onde ainda fico o início da manhã com o Bernardo. A verdade é que sou uma pessoa que se realiza tendo multi-tarefas. O Tripé que me mantêm é equilibrado pelo meu filho, meu marido e meu trabalho, por isso nunca pensei em não voltar ao trabalho.

MFC: Sabemos que seu marido é um pai super querido e participativo. O quanto isso contribui para sua tranquilidade quando está fora de casa?

MS: Contribui muito! É fundamental essa parceria e se sentir amparada emocionalmente. Isso para mim é algo muito importante. Namorei muito tempo o Afonso, temos um vínculo muito legal. Ele realmente é a pessoa que eu conto para tudo, é meu suporte. O fato de ele estar lá por mim, de acordar comigo, de me amparar desde quando o Bernardo nasceu faz toda a diferença. Mas é claro que o pai vai estabelecendo um vínculo com a criança em um segundo momento, acho que no primeiro momento, o vínculo e muito com a mãe. Então por mais que ele ajudasse, trocasse fralda, desse banho o vínculo no início era muito comigo. Agora ele e o Bernanrdo estão um grude, porém, quando meu filho se machuca, fica doente sou eu que ele quer. Por outro lado, quando é algo mais físico onde ele quer uma defesa, ele corre para o pai.

FullSizeRender

MFC: Como é a relação do seu marido com o seu trabalho? Pinta ciúme?

MS: O Afonso é um ser muito especial. Não vou dizer que ele é perfeito, eu também não sou. Mas com relação ao meu trabalho,  posso dizer que ele é perfeito.Tem um nível de compreensão imenso. Acho que se não fosse isso eu não teria conseguido levar, pois vejo ao meu redor, casamentos que acabaram, maridos que pressionam e que querem a mulher em casa. O Afonso nunca me fez pressão, mesmo eu sendo um pouco ausente em alguns programas (como festinhas de amiguinhos da escola) que às vezes, eles acabam indo os dois. Por exemplo, pegar na escola eu não consigo, ele consegue. Acho que ele sempre levou isso de uma forma muito madura, talvez se eu estivesse do outro lado, me incomodaria mais, mas ele não. Brinco que ele é um ser superior. Somos diferentes, mas o que importa, e o que faz dar certo é que nossos valores e verdades são os mesmos.

MFC: O que vocês fazem para o casamento não cair na rotina?

MS: Acho que não fazemos nada diferente que os outros casais já façam. O que combinamos é tirarmos umas férias só nós dois a cada ano para comemorarmos o nosso aniversário de casamento. O nosso momento a dois é a noite, ficamos muito juntos nesse horário. Eu chego em casa, a gente abre um vinho e ficamos conversando. Mas de fato, depois da chegada de um filho, você tem que ter muito mais vontade de fazer o casamento realizar, e é no dia a dia que isso acontece. Não tem grandes segredos, são mais pequenos gestos, a taça de vinho, a conversa do que a viagem uma vez por ano. Por isso que eu não consigo entender quando algumas pessoas falam que filho segura o casamento, essa história é uma inversão de valores muito grande! Gente, eu acho que é exatamente o contrário, se você não tem intimidade, parceria, confiança acabou o seu casamento. Pois com filho não é fácil, e se não tiver muito amor não vai!

MFC: Que conselho você tem para as mães que estão iniciando a vida materna agora?

MS: Muito difícil dar conselho sem ser meio clichê e acabar falando coisas que já escutamos um milhão de vezes. Mas por exemplo, eu tenho uma amiga que não estava conseguindo amamentar de jeito nenhum! Então eu falei para ela: “Calma isso não é nada, você está deixando de curtir o seu filho e focando a energia em uma coisa que não depende só de você. Se ele não conseguir pegar, não será a amamentação que te fará mais mãe, ou menos mãe. Você vai achar uma outra maneira de se conectar a ele.”Acho que nós mães, principalmente de primeira viagem, acabamos colocando muito energia em determinadas coisas que não são o foco principal. Por isso tente ver a vida com mais leveza e viver a maternidade com mais tranquilidade. Tudo vai dar certo, e tudo passa! Minimize as questões para vivenciar a beleza da maternidade. Livre-se de qualquer estereótipo ou preconceito e curta o seu jeito de ser mãe, porque mãe sempre sabe!

MFC: Na sua opinião, qual é a vantagem de pensar fora da caixa para a mulher que é mãe?

MS: Acho que a vantagem de pensar fora da caixa é viver de acordo com os seus valores, suas verdade e não de acordo com a verdade de outras pessoas.É ser autêntica, se livrar das amarras da sociedade e do que as pessoas acham que você dever ser. Penso que é impossível ser uma pessoa feliz e realizada se você não viver a sua verdade. Claro que isso não significa viver de forma inconsequente, fora da lei, sem moral (rsrs) não é nada disso. Existem vontades que acabam esbarrando em coisas proibidas e que não devemos fazer. Porém temos que tentar ao máximo viver a nossa verdade!

Jogo rápido:

Uma cor? Pink

Um cheiro? Lavanda

Uma viagem? Istambul

Uma emoção? Chegar me casa com aquela sensação de plenitude, dever cumprido após um dia produtivo.

Uma pessoa?  Bernardo

Um momento? Nascimento do meu filho

Uma música? Exagerado (Cazuza)

Um lugar? Minha casa

Uma cidade? São Paulo

Uma saudade? Minha Vó paterna Eunice

Uma Mania? Cheiro! Amo home srpay e incenso.

Um sonho? Que meu filho se torne um homem bacana, do bem, decente, que encontre o caminho dele, um trabalho que ame, e que possamos continuar a ser uma família unida

Uma época? Infância

Uma frase? “Peça licença, mas entre.” (Caetano Veloso)

 FullSizeRender[1]

(Visited 4.270 times, 1 visits today)
Thaís Vilarinho

Mãe de dois meninos lindos Matheus e Thomás, Fonoaudióloga Clínica. Pratico corrida e Muay Thai. Adoro escrever, viajar, escutar música, ver um bom filme, sair e estar com a família e os amigos. Sou curiosa, adoro conhecer e aprender coisas novas.

Share This Post

8 Comentários

  1. Alessandra Ouchi - 11 de setembro de 2014

    Adorei a entrevista, tenho um filho de 2 anos e 7 meses, e me identifico muito com a Mônica, descobri através desta entrevistas que temos muita coisa no estilo de vida em comum: Viajar com o marido 1 vez por ano, aproveitar os pequenos e simples momentos da vida, não sofrer por não conseguir amamentar, trabalhar e estar bonita. Eu amo o meu filho, Miguel, e meu marido, Márcio, e em primeiro lugar está Eu, pois primeiro preciso estar bem comigo! Bjos

  2. Desirée - 11 de setembro de 2014

    Parabéns pela entrevista! Ja acompanho a Monica Salgado pelo Instagram, e ela sempre me pareceu muito real e verdadeira. Me identifico demais com as suas colocações, simplesmente por que são verdadeiras! Eu também trabalho “fora” e gosto demais do que eu faço, mas nem por isso deixo de amar meu pequeno de 2 aninhos mais que tudo no mundo, no entanto, não vejo minha sem meu trabalho. Um bjo, adorei o site!

  3. Simone Bernardes - 1 de outubro de 2014

    Adorei a entrevista, me identifiquei com a Mônica! A realidade é exatamente a que ela relata! Por exemplo, não consegui amamentar e não vejo problema algum nisso, meu filho é feliz, saudável e muito amado!! E com relação ao tempo com o marido… importantíssimo manter viagens e momentos a dois!! Tenho um filho de 1 ano e 10 meses e somos uma família feliz, aprendendo a cada dia! Obrigada pela entrevista meninas! Beijos

  4. Maternidade: expectativa e realidade - Blog-à-porter | Ju Ozol - 18 de dezembro de 2014

    […] 3 da manhã e, claro, depois que voltou a dormir eu perdi o sono! Quem nunca, né? Acabei lendo uma entrevista super legal sobre maternidade com a Mônica Salgado, editora da Glamour, em que ela falava sobre as […]

  5. Renata - 20 de fevereiro de 2016

    Ah, como eu queria ter lido tudo isso, antes de ter tido a minha pequena!!!! Entrevista incrível!!!! Amei!!! Parabéns!! Bjs

Escreva um comentário